ÁRVORE DO CONHECIMENTO DO BEM E DO MAL

Pergunta:
Uma vez que a árvore do conhecimento do bem e do mal significa o momento transicional do homem, do estágio de inconsciência para o de consciência, por que Deus proíbe o homem de comê-la, se para isso e com tal capacidade fora criado?
Resposta de Alexandre Rodrigues

1. A árvore do conhecimento, pela sua própria designação e natureza, indica a fronteira entre o conhecer e o não conhecer o bem e o mal. A submissão irrefletida aos paradigmas antigos levou os cristãos à incompreensão do texto mosaico acerca da referida árvore, fazendo-os vê-la como a causa primária do pecado. Não é, pois, sem razão, que o mundo judaico-cristão entende, até os dias de hoje, que a queda do homem resultou do fato de ele ter comido uma fruta, conforme reza a tradição. Porém, esse entendimento não responde aos problemas reais da humanidade, quando analisados do ponto de vista ontológico, pneuma-psicossomáticos.

Pense comigo: se a árvore do conhecimento é a causa primária do pecado, não deveria ela estar presente também no mundo pré-adâmico, sendo semelhantemente a causa da queda de Lúcifer? Quando refletimos acerca desta árvore, logo se percebe a necessidade de transcendermos a figura para encontrar o seu significado. Vejamos aqui alguns pontos:



1.1. Antes de o Homem comer do fruto da árvore do conhecimento, é certo que ele não possuía o conhecimento do bem e do mal. Logo, ele não discernia a luz e as trevas, a vida e a morte.

1.2. Ora, não podendo o homem julgar entre o certo e o errado, o bem e o mal, a luz e as trevas, conclui-se, por força da verdade, que ele NÃO POSSUÍA LIVRE-ARBÍTRIO. Do contrário, como poderia o Homem exercer a livre escolha de algo que ele não discernia?

1.3. Em verdade, o livre-arbítrio floresce no Homem no exato momento em que ele transita do estado de inconsciência para o estado de consciência. No momento em que ele come do fruto, quando se torna conhecedor do bem e do mal, é que então pode decidir entre a luz e as trevas, o bem e o mal, a vida e a morte.




Temos aqui, portanto, a primeira conclusão: Deus não proibiu o Homem de comer da árvore do conhecimento; antes, além de inevitável, era necessário que o homem comesse do seu fruto, não somente por causa da natureza humana, que é evolutiva, mas para que o propósito de Deus quanto ao Homem se cumprisse: atingir a estatura de varão perfeito. Afinal, como poderia Deus cumprir o seu plano, se o Homem se mantivesse eternamente no estágio pré-consciente?

Entretanto, logo alguém interpelará dizendo: “Mas isso não condiz com o registro de Gênesis. Como compreender o relato da queda, conforme Moisés registrou no livro dos começos?

Bem, para entendermos o assunto à luz da Verdade, é preciso fazermos um estudo crítico-analítico do texto em questão. Vejamos.

2. O verbo “comer”, em Hebraico (Gn 2:17), é 'âkal, e passível de várias acepções. Dentre elas pode-se citar as seguintes em variados contextos

 

2.1. Comer (o ato de comer) como em Gn 9:4.

2.2. Consumir com o sentido de queimar, devorar (como em Is 10:17).

2.3. Angústia, ser tomado de... (como em 1Rs 22:27).

2.4. Comedor (aquele que se alimenta), como em Jz 14:14.

2.5. Comer com o sentido, não de um ato, mas de continuidade, como em 1Sm 1:8.

2.6. Devorador como em Ml 3:11.

2.7. Mantimento como em Lv 25:7.

Bem... diante de tantas acepções, como compreender o que se diz em Gn 2:17? Para obtermos a exata aplicação da palavra hebraica, vamos recorrer a um texto do NT, com o fim de elucidar a questão.

Em João 6:57, está escrito: “Assim como o Pai, QUE VIVE, me enviou, e igualmente eu VIVO pelo Pai, também quem de mim se ALIMENTA por mim VIVERÁ”.

Nesse texto, vê-se claramente que Jesus não faz menção a um ato, concluído, de se comer dele. Mas, como bem indica a expressão – “quem de mim se alimenta” –, Jesus faz referência a um ato contínuo de se alimentar dele. Observe que Cristo, realidade da árvore da vida, fala da necessidade do Homem de se alimentar dele.

Se transferirmos esse mesmo princípio para Gn 2:17, a partir das acepções da palavra hebraica usada para “comer”, entenderemos que Deus não proíbiu o Homem de comer do fruto da árvore do conhecimento, no sentido de 2.1. A proibitiva encontra-se na seguinte ideia, conforme a paráfrase do texto: “mas a árvore do conhecimento do bem e do mal não tomarás por mantimento” (2.7.); ou seja, o homem, ao tomar do fruto da árvore, isto é, ao transitar do período da inconsciência para o da consciência, não poderia viver por meio do conhecimento em detrimento à Vida de Deus n’ele (Cp. Jo 6:57). Quando a inteligência florescesse no Homem, este não deveria se tornar um “devorador” (2.6.) do conhecimento, como quem busca garantir a sua existência pela força do conhecimento; o Homem não deveria ser tomado (interiormente), como quem é tomado de angústia, pelo conhecimento (2.3.); o Homem não deveria ser consumido, devorado, ou queimar-se interiormente pelo conhecimento do bem e do mal, pois todos esses verbos implicam o nascimento do ego (2.2); o Homem não deveria tomar por alimento de sua existência o conhecimento (2.4). O Homem deveria viver de toda a palavra que procede da boca de Deus (Mt 4:4), buscando em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça (Mt 6:33).

A inteligência, interligare (lat.), cujo significado quer dizer “a capacidade de interligar os fatos, discernindo os nexos que há entre as coisas” (inter+ligare), deveria servir para o Homem conhecer a si mesmo e a Deus, desenvolvendo um relacionamento consciente com a Vida. Esta é razão por que repetidamente nos ensinam os apóstolos que a vida eterna consiste em conhecer a Deus (Jo 17:3).

O contrário disso, todavia, foi o que aconteceu. Ao atingir o estágio de consciência, o Homem orgulhou-se do atributo da inteligência, privativo dos seres humanos. O resultado disso, já profetizado pelo SENHOR, foi a morte, como bem lhe havia dito: se permitires que o conhecimento do bem e do mal inflame o seu coração (2.2.), certamente morrerás.



3. O contraditório. Alguém poderá argumentar, dizendo: por que, então, Deus haveria de proibir o Homem, depois de caído, de comer da árvore da vida? (Gn 3:22). Ora, se esta é a vontade de Deus, que o Homem viva pela sua Vida, por que haveria de obstar o caminho da árvore da vida, impedindo-o de retomar o caminho da dependência do Criador?

4. A solução. Estamos aqui diante de mais um problema de versão das escrituras. Comparemos pelo menos duas versões:

Na versão atualizada está escrito: “Então, disse o SENHOR Deus: Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do bem e do mal; assim, que não estenda a mão, e tome também da árvore da vida, e coma, e viva eternamente. O Senhor Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden...” (Gn 3:22). Observe, atendo leitor, que há um ponto-final depois da palavra “eternamente”, fato este que deixa o texto sem sentido.

Para que se observe claramente esse apontamento, vamos separar as orações do período:


Primeira oração: “Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do bem e do mal”
Segunda oração: “assim, que não estenda a mão”
Terceira oração: “e tome também da árvore da vida”
Quarta oração: “e coma”
Quinta oração: “e viva eternamente”


Observe que os verbos estenda, tome, coma e viva estão no modo subjuntivo. O que isso significa? Ora, o modo subjuntivo é empregado em orações subordinadas, o que implica que todas elas fazem parte da oração principal: “o Senhor, por isso, o lançou fora do jardim do Éden”; ou seja, as orações com verbo no conjuntivo completam o sentido desta última oração.

Mas onde está o problema? Simples. Se as orações subordinadas completam o sentido da principal, não deveriam elas serem separadas pelo ponto-final. Estamos, pois, diante de uma versão com um problema extremamente grave, o que lhe tira toda a sua autoridade, nesse sentido que estamos falando. O ponto-final, separando orações subordinadas da principal, demonstra a fragilidade da versão e a desatenção do tradutor.

Agora veja o mesmo texto na versão corrigida: “Então, disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, pois, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e como, e viva eternamente, O SENHOR DEUS, POIS O LANÇOU FORA DO JARDIM DO ÉDEN...”.

Veja bem, caro leitor, que a primeira oração foi dita por Deus “eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal”; já a segunda oração, “ora, pois, para que não estenda a mão, e tome também da árvore da vida, o SENHOR, pois o lançou fora do jardim do Éden...”, esta foi dita por Moisés.

Esta versão faz toda a diferença. NÃO FOI DEUS QUEM IMPEDIU O HOMEM DE COMER DA ÁRVORE DA VIDA. ESSA FOI A INTERPRETAÇÃO DE MOISÉS.

Parece complicado tal afirmação, de que Moisés interpretava a seu modo os fatos. Mas, para perceber as incoerências da visão de Moisés em relação à verdade, basta comparar o registro da queda do Homem, na visão de Moisés e na visão de Cristo.

Em Moisés, nos é dito que “Deus expulsou o Homem do jardim”; quando Cristo, entretanto, relata o mesmo episódio, a queda do Homem, na parábola do filho pródigo, ele afirma que o filho saiu de casa, ao passo que o seu pai ficou com os braços estendidos aguardando o seu retorno. Na visão de Cristo acerca da queda, não se vê um pai irado, expulsando o seu filho de casa. Vê-se exatamente o contrário.

Ora, como conceber tamanho disparate? Somente quando se compreende que a “graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo”, e que a Lei foi dada por intermédio Moisés (Jo 1:17), é que se pode entender a diferença de visão entre o Antigo e Novo Testamentos. Moisés não conhecia a Deus; foi o Deus unigênito que no-lo revelou (Jo 1:18), como também está escrito: “Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para conhecermos O VERDADEIRO” (1Jo 5:20).

Outro exemplo, do modo como Moisés interpretava os fatos ao seu modo, é o caso da destruição de Sodoma e Gomorra, em Gn 19. Compare-o a um outro episódio semelhante, registrado em Lc 9:51-56:

“E aconteceu que, ao se completarem os dias em que devia ele ser assunto ao céu, manifestou, no semblante, a intrépida resolução de ir para Jerusalém e enviou mensageiros que o antecedessem. Indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos para lhe preparar pousada. Mas não o receberam, porque o aspecto dele era de quem, decisivamente, ia para Jerusalém. Vendo isto, os discípulos Tiago e João perguntaram: Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para os consumir? Jesus, porém, voltando-se os repreendeu e disse: Vós não sabeis de que espírito sois. Pois o Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las”.

A comparação entre o episódio da destruição de Sodoma e o episódio do evangelho, supracitado, não nos deixa dúvida de que Moisés compreendia os fatos com os olhos da Lei, e não segunda a Verdade, a qual nos foi trazida pelo Verbo de Deus. Ao registrar o fenômeno natural da destruição das cidades vulcânicas, Moisés o conferiu a Deus. Quando, entretanto, em situação semelhante, dois discípulos queriam pedir ao Pai para destruir uma aldeia de samaritanos, Jesus lhes respondeu: “VÓS NÃO SABEIS DE QUE ESPÍRITO SOIS”; ou seja, vocês não sabem por qual espírito estão sendo inspirados; certamente não o é pelo Espírito de Deus. Deus NÃO MANDA FOGO PARA CONSUMIR OS HOMENS; ele envia o seu Filho, não “para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las”.

Por esses e outros motivos, concluímos, segundo a versão Corrigida da bíblia sagrada, que não há – da parte de Deus – proibição de se comer da árvore da vida.

A árvore da vida esteve tão acessível aos homens, por meio do Cordeiro de Deus, que foi morto antes da fundação do mundo, como esteve nos dias de sua encarnação e como está nos dias atuais: “Eu sou o pão da vida... quem come da minha carne e bebe do meu sangue tem a vida eterna... quem de mim se alimenta por mim viverá.

Em Cristo,

Alexandre Rodrigues

Avalie este item
(1 Votar)

Bispo Sênior
Alexandre Rodrigues

Bispos
Eleilson Ferreira
Giovani Mantovani
Josué Argôlo
Marcos Oliveira
Moisés Gonçalves
Renato Sena
Vinícius Batista

Outros Links