Quando as Luzes do Circo se Apagam...

Quando as Luzes do Circo se Apagam...

A visão “deficiente”, que não enxerga a DEUS como ele é, faz com que os homens criem para si religiões em nome do ETERNO, a fim de o servirem com suas próprias mãos. Quando isso acontece, o ABSOLUTO é reduzido à semelhança de homem, e o homem é exaltado ao lugar de DEUS.

Por isso, os templos estão cheios de deuses; e, lá num cantinho, há sempre um altarzinho, em cuja lápide se lê: ao deus desconhecido.

Lamentável... A Vida se tornou apenas um ser desconhecido no meio de muitos deuses.

Eles não conhecem o Verdadeiro.

O Altíssimo não habita em santuários feitos por mãos humanas, já dizia o profeta, nem é servido por mãos de homens. Entretanto, os cegos fizeram do EU SOU um totem e agora o têm por objeto de sua satisfação.

Dia após dia, pseudo-adoradores se alimentam dos serviços que lhe prestam no altar. Ritos, métodos, orações, procedimentos, batismos, dízimos, jejuns, véus, sábados, lava-pés... tudo isso os alimentam e os tornam “poderosos”, embora precisem reabastecer continuamente suas cisternas, rotas, com as águas do poço de Jacó.

Não se atentam para o fato de que o abismo interior não pode ser preenchido pelo nada. Não sabem que somente o TUDO pode plenificá-lo. E, para que não se apercebam disso, distraem-se com os inacabáveis mantras, com as mãos levantadas, com choros, grunhidos, danças, teatros, luzes, e com as coreografias dos arlequins, fantasiados...

Entretanto, quando as luzes do circo se apagam; quando as emoções se esvaem; quando se deparam com o vazio existencial; quando a fascinação do ilusionista desaparece; então, se dão conta de que não sabem servir ao Eterno, de que não sabem orar, de que não sabem caminhar. E, desprovidos dos encantos do pelotiqueiro, sentem-se inativos... frios...

De repente, lembrando-se seu do passado, dizem para si mesmos: “Ah, como era bom aquele tempo em que comíamos cebolas, alhos, carnes e pepinos. Agora, porém, o que temos? Apenas maná... somente este pão vil”.

Se pudessem voltar, voltariam. Ficam prostrados no deserto.

Mas a fagulha da verdade insiste em arder no coração. Um dia ela há de se tornar uma chama viva. Mas, enquanto isso...

Alexandre Rodrigues

Avalie este item
(1 Votar)

Bispo Sênior
Alexandre Rodrigues

Bispos
Eleilson Ferreira
Giovani Mantovani
Josué Argôlo
Marcos Oliveira
Moisés Gonçalves
Renato Sena
Vinícius Batista

Outros Links