RETRATOS DO CORAÇÃO

RETRATOS DO CORAÇÃO

Recentemente tive a oportunidade de ver em ação uma fotógrafa, amiga minha e irmã em Cristo, em um dos eventos da nossa igreja. Fiquei impressionado com a perícia e técnica empregadas pela profissional, com o intuito de captar as melhores cenas, registrar sorrisos, rostos e lembranças.

De maneira muito simples, embora consciente e habilidosamente, a retratista parecia conduzir seus “alvos”, pelo que me pareceu um arranjo muito bem pensado de poses, gestos e tomadas de ângulos diferentes. Cada intervenção realizada pela fotógrafa, rendia-lhe belíssimos retratos que guardam a representação e a interpretação da realidade, captada por suas lentes e, sobretudo, por seu atento olhar.

Não muito tempo depois, mergulhado em minhas reflexões, lembrei-me de mais um fotógrafo. Um fotógrafo com incomparável perícia, técnica e infinita agudeza em seu olhar. Deixe-me corrigir: mais um fotógrafo, não. Lembrei-me do Fotógrafo por excelência, que o mundo jamais conheceu igual: Jesus Cristo, o “fotógrafo” de Nazaré. Sei que essa declaração pode parecer estranha, risível, estapafúrdia. Mas há uma razão para tal proposição. Sim, uma razão tomada de certo romantismo, de uma profusa subjetividade e de não pouca alegorazição, contudo, não deixa de ser razão. Veja.

Jesus Cristo, o “fotógrafo” de Nazaré, não dispunha de lentes especiais, tampouco de uma câmera fotográfica, pequena que fosse – objeto inexistente em seu tempo. No entanto, ninguém possuía a sensibilidade nem a acuidade de “captar” expressões como ele o fazia, expressões essas que nenhum outro seria capaz de perceber: as expressões da alma e do coração.

O habilidoso “fotógrafo” de Nazaré era dotado de uma expertise divino-humana que lhe permitia, não somente extrair os retratos do âmago de mentes e corações, ao penetrar-lhes até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, discernindo-lhes os pensamentos e propósitos, mas também conduzir as vidas, por ele retratadas, a uma perspectiva que lhes permitisse ver suas próprias vidas, sem ranhuras ou borrões. Somente assim, os homens podiam perceber o que era realmente necessário enxergar nos retratos que compõem o verdadeiro álbum de fotos da existência humana: as imagens que registram o interior de cada um, revelando diminutas, porém, indeléveis marcas da Imago Dei (Imagem de Deus) no coração do Homem.

As marcas da Imago Dei, tais quais centelhas rubras de calor e luz, no interior de negras brasas, ainda guardam os contornos da Vida de Deus. Contornos, que ao serem fotografados/iluminados pela glória de Deus na face de Cristo despertam: o sentimento de desprendimento e de restituição num certo Zaqueu, a sede de Deus no coração de uma desconhecida samaritana, ou mesmo, o arrependimento de um malfeitor em seus últimos suspiros na cruz ao lado da Luz, isto é do Salvador.

Diante de tão radiante luz emitida pelos “flashes” divinos do próprio Cristo - à semelhança de Zaqueu, da Samaritana e de tantos outros que foram iluminados, - todos somos retratados sem as nódoas e borrões (típicos do velho homem), ao vermos o nosso coração com as “lentes” do Cristo de Deus.

Josué Argôlo.

Avalie este item
(0 votos)

Bispo Sênior
Alexandre Rodrigues

Bispos
Eleilson Ferreira
Giovani Mantovani
Josué Argôlo
Marcos Oliveira
Moisés Gonçalves
Renato Sena
Vinícius Batista

Outros Links