Quando nos faltarem as palavras...

Sua vida nunca mais foi a mesma, desde que experimentou pela primeira vez o amor.

Órfã de pai e mãe, passou toda a sua infância sendo violentada pelo seu próprio tio, Simão. Juntamente com seus dois irmãos, Marta e Lázaro, Maria nada podia fazer diante da inexorabilidade da vida, que desde a aurora lhe legou um coração estéreo, árido, ressequido. Afinal, o que fazer se o seu único arrimo era quem lhe violava, inescrupulosamente, quando lhe devia proteger? Ademais, ninguém acreditaria em suas palavras, pois o tal Simão era homem de aparência, fariseu, religioso...

Não demorou para que o destino a jogasse nas ruas. E já não bastasse um, agora eram muitos que dela se aproveitavam, comprando o seu corpo a preço de pão.

Possuída por sete demônios, perambulava pelas noites, prostituindo-se, sem nenhuma esperança de ser feliz. Até que um dia, o destino tornou-se contra si mesmo. Pega em flagrante ato de adultério, levaram-na à presença do Amor. Exigiram que este a condenasse à morte, pois a Lei assim vindicava. Mas o Amor, porque simplesmente ama, amou-a até o fim. Amou-a assim mesmo como ela era: suja, caída, possuída e condenada.

“— Filha, onde estão os teus acusadores? Ninguém ficou aqui para te condenar?”

Naquele momento, Maria sentiu pela primeira vez o amor. As palavras de Cristo, que lhe fitava os olhos sem nenhuma malícia, nem acusação, nem pedido de ressarcimento, penetraram o seu coração, dizendo: “Eu também não te condeno, vai e não peques mais.    

Maria não podia compreender. Quem era este que a amava com um amor tão puro? Quem era este que incondicionalmente a perdoava, sem se importar com o que diziam os homens e a Lei? Quem era este que conseguia ver além de sua aparência, de sua história e da circunstância em que se encontrava? Quem era este que conseguia ver nela um ser humano digno, a despeito de toda a sua indignidade, pelo simples fato de ser ela criada à imagem e semelhança de Deus?

Este é o Amor, que se fez carne e andou entre os homens: Jesus. Ele recebe o filho que dissipa os seus bens e não lhe lança na face a sua culpa. Antes, corre ao seu encontro, abraça-o, beija-o, e se alegra com o retorno daquele que estava perdido.

Quão diferentes são os homens que não conhecem a Deus. Estes, não somente tomam pedras para apedrejar o pecador, como reivindicam a autoridade da Lei para justificar os seus atos de maldade. E se o Pai perdoa o penitente, ficam entristecidos e não aceitam o perdão de Deus para o outro. Fazem isso baseados no senso de pseudojustiça que possuem.  

Somente o perdoado que se percebe como tal é que conhece de fato a Deus.

Maria conheceu a Deus porque se reconheceu como pecadora perdoada. E, porque conheceu a Deus, foi liberta dos demônios e do poder do pecado.

Num dia em que Cristo estava na casa de Simão – aquele do começo de nossa história –, entrou Mari Amada Lena na casa onde estavam, pôs-se a banhar os pés do seu Salvador com lágrimas, beijando-os e banhando-os com um precioso perfume: lágrimas de agradecimentos; beijos de amor; perfume de gratidão.

Nenhuma palavra disse: apenas amou.

Quando, pois, nos faltarem as palavras...  

 

Alexandre Rodrigues

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Avalie este item
(14 votos)

Devocionais

  • O poder do amor
    “Sempre fica um pouco de perfume nas mãos de quem oferece flores.” Provérbio chinês. Maria Rosa, jovem flor, dos homens só conheceu espinhos. Apesar de seu nome, Maria Rosa sempre carregou no corpo e, principalmente, na alma as marcas de quem muito bebeu das acerbas águas do sofrimento. Igualmente aos…
  • O incognoscível Deus revelado aos homens
    Deus! Esse é o nome que damos àquele que tudo criou, ao Eterno, ao Absoluto, ao Inesgotável, ao Infinito... ao único que é em si mesmo. Alguns o chamam de Jeová, outros, de “uma força”, e há os que o denominam simplesmente “ser superior”. Fato é que ninguém o conhece…
  • Um grito
    “Estátuas e cofres e paredes pintadas, ninguém sabe o que aconteceu...”, disse o profeta profano, ao sinalizar o descuido da humanidade para com os problemas reais da existência humana. A criança se jogou da janela, do 5º andar, porém, ninguém sabe o porquê. E por que não sabe? Por que…
  • Então é natal
    “O Natal costuma ser sempre uma ruidosa festa. Entretanto, se faz necessário o silêncio... Para que se consiga ouvir a voz do Amor. Natal é você, quando se dispõe, todos os dias, a renascer e deixar que Deus penetre em sua alma.” Papa Francisco. É no silêncio, sem espectadores, sem…
  • Um odre na fumaça
    “— Não é assim que se faz, Abdullah. Primeiro você precisa deixar o odre ser curtido na fumaça por tempo suficiente, antes de introduzir água em seu interior ” – falou Omar com enorme doçura ao seu neto, enquanto este enchia de água um odre recém-feito com o couro de…

Bispo Sênior
Alexandre Rodrigues

Bispos
Eleilson Ferreira
Josué Argôlo

Outros Links