Olhos nos olhos...

“Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito: um se chama ontem, e o outro se chama amanhã;

portanto, hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.”

Dalai Lama

 

Não foi apenas uma breve troca de olhares, foi muito mais do que isso.

Quando Pedro e Jesus se entreolharam na praia do mar de Tiberíades, passado, presente e futuro se encontraram...

O passado se apresentou na lembrança do gosto amargo da traição; o gosto de quem mesmo amando abjura o Amor e diz não conhecer o Amigo.

O futuro?! Ah, este “chegou” nas asas da incerteza, nebuloso até então, pois dependia do tempo da escolha, do tempo da oportunidade...

Somente neste tempo – que se chama Hoje –, os grilhões da acusação que nos prendem ao ontem podem ser desvencilhados.

Apenas no tempo da escolha, o aguilhão do amanhã se cala por um pouco – aguardando o que irá dizer –, na esperança que Hoje, tudo pode se fazer novo...

E quanto a Pedro?

Ele escolheu bem, no momento em que olhou para trás e teve a oportunidade de desistir, de parar de caminhar, quando ouviu por três vezes a pergunta do Mestre:

“— Pedro, tu me amas?”

Pedro decidiu pelo seu hoje... pelo seu presente...

Mas, não pense que foi qualquer decisão. Pedro escolheu amar o Amor, na medida e na força do seu coração.

Naquele instante em que o simples pescador voltou seu rosto para Jesus, fitando- O nos olhos, a dádiva da oportunidade operou nele o milagre, curando as feridas de sua alma abatida, pois foi por ele recebida não somente como dádiva, mas como oportunidade.

Naquele momento, passado, presente e futuro também se entreolharam, como o fizeram Pedro e Jesus: o passado se despediu sem lhe cobrar nada, esquecendo-se para sempre do que, no passado, fora feito...  Já o futuro... o futuro ficou à frente de Pedro, saudando-o e sorrindo para o presente.

 

Josué Argôlo.

Avalie este item
(5 votos)

Devocionais

  • O poder do amor
    “Sempre fica um pouco de perfume nas mãos de quem oferece flores.” Provérbio chinês. Maria Rosa, jovem flor, dos homens só conheceu espinhos. Apesar de seu nome, Maria Rosa sempre carregou no corpo e, principalmente, na alma as marcas de quem muito bebeu das acerbas águas do sofrimento. Igualmente aos…
  • O incognoscível Deus revelado aos homens
    Deus! Esse é o nome que damos àquele que tudo criou, ao Eterno, ao Absoluto, ao Inesgotável, ao Infinito... ao único que é em si mesmo. Alguns o chamam de Jeová, outros, de “uma força”, e há os que o denominam simplesmente “ser superior”. Fato é que ninguém o conhece…
  • Um grito
    “Estátuas e cofres e paredes pintadas, ninguém sabe o que aconteceu...”, disse o profeta profano, ao sinalizar o descuido da humanidade para com os problemas reais da existência humana. A criança se jogou da janela, do 5º andar, porém, ninguém sabe o porquê. E por que não sabe? Por que…
  • Então é natal
    “O Natal costuma ser sempre uma ruidosa festa. Entretanto, se faz necessário o silêncio... Para que se consiga ouvir a voz do Amor. Natal é você, quando se dispõe, todos os dias, a renascer e deixar que Deus penetre em sua alma.” Papa Francisco. É no silêncio, sem espectadores, sem…
  • Um odre na fumaça
    “— Não é assim que se faz, Abdullah. Primeiro você precisa deixar o odre ser curtido na fumaça por tempo suficiente, antes de introduzir água em seu interior ” – falou Omar com enorme doçura ao seu neto, enquanto este enchia de água um odre recém-feito com o couro de…

Bispo Sênior
Alexandre Rodrigues

Bispos
Eleilson Ferreira
Josué Argôlo

Outros Links